quarta-feira, 21 de abril de 2010

- Já vi: Mysterious Skin (2004)

MysteriousSkin

Mysterious Skin – Pele Misteriosa

Two Boys. One can’t remember. The Other can’t forget.

É com esta premissa que deparamos em Mysterious Skin. Dois mundos, dois rapazes, duas vidas, aliadas a uma infância em comum. Enquanto Neil (Joseph Gordon-Levitt) um rapaz que é violado em miúdo e que muda por completo o seu mundo. Torna-se homossexual e vive a vida como prostituto na sua adolescência. O outro rapaz, Brian (Brady Corbet), a quem desapareceu horas misteriosamente e o seu nariz sangra sem razão, começa a procurar respostas em extraterrestres e pensa que foi uma das suas vítimas. Mas ambos os jovens partilham em comum uma experiência aterradora, ambos mudados por essa mesma experiência.

Pele Misteriosa é um filme subvalorizado. A arte da realização de Gregg Araki que torna esta fita singular, é, de todo, espantosa. Cada frame, envolve-nos com uma perfeita sonoplastia juntamente com uma experiência nua e psicologicamente perturbadora. O filme, filma de forma poética algo que é assustador – a pedofilia. Mas a pedofilia é algo abrangente, causa buracos nas pessoas, e nesses buracos as pessoas escondem-se ou ainda o tornam mais visível.

Mysterious Skin - Don't touch my teddy (350w)

Uma das grandes mais valias deste filme é o jovem Joseph Gordon-Levitt é um dos melhores actores da sua geração, além de ser um dos melhores, é um dos mais protegidos e desconhecido. Mas o seu talento é visível em cada obra que marca e esta não é excepção. Levitt tem aqui um papel difícil mas que ele consegue fazer justiça. Por outro lado, Brady Corbet tem um papel mais fácil mas também ele arrecada uma interpretação sólida.

O mundo é um lugar assustador. Uns se escondem outros se expandem. As experiências da nossa infância podem mudar todo o curso da nossa vida e é com isso que Mysterious Skin nos mostra, de forma poética mas verdadeira. A par de todos os aspectos envolvidos na fita que estão perfeitos. Um soco no estômago. Uma história inefável.

2006-01-24_234937_Mysterious.Skin.2004.CiwCiw.com.Snap12

14 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

É, de facto, um filme muito bom. Perturbador na narrativa e um deleite visual e performativo.

Roberto F. A. Simões disse...

É subvalorizado, mas atribuir-lhe 9 também acho, pessoalmente, demasiado.
A ausência evidente de preocupações estéticas maiores - tanto na fotografia e mise-en-scène como nas técnicas narrativas a que Araki recorre para filmar a história - faz-me pensar, de forma clara, no pouco cinema-arte que há em Mysterious Skin.
Destaca-se Gordon-Levitt, evidentemente, e o argumento bem construído, tenso e perturbante.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

Loot disse...

Mais um que estreou bem atrasado por cá mas que felizmente consegui ver no cinema, gostei muito.

Gordon-Levitt ´tem tido umas escolhas de carreira muito interessantes. Não sei se já viste Brick. Se não acosnelho vivamente é um grande filme.

Abraço

Nekas disse...

Flávio, é mesmo uma obra perturbadora a varios níveis...

Roberto, não concordo contigo. Mas todos temos direito à nossa opinião e sim, o filme é bastante subvalorizado, e penso que é um grande filme sobre cinema...
Perturbador do início ao fim...

Loot, Levitt é um dos meus actores jovens preferidos. Vou dar uma olhadela :)

Abraços

Luiz Henrique Oliveira disse...

Joseph Gordon-Levitt é grande ator, é uma pena que esteja sendo reconhecido so agora depois do êxito de 500 dias com Ela. A história desse filme é por vezes chocante, mas é excelente. Um dos grandes filmes dos últimos tempos, e pra variar, subestimado. Um abraço!

Nekas disse...

Luiz, concordo com as palavras, mas penso que Levitt já antes era reconhecido, mas sempre foi visto como um "protegido"...

Abraço

Marcelo Pereira disse...

Obra-prima! Um filme da minha vida!
E já estou a ver Elephant, Trainspotting, Lost in Translation, vou estar ainda mais atento!

Abraço

Nekas disse...

Marcelo, fica mesmo atento!

Abraço

Hugo disse...

Assisti outros dois filmes de Araki ("Splendor" e "Estrada para Lugar Nenhum"), tendo homossexualismo e sexo como ingredientes de sua obra.

Este eu não conhecia, quando tiver oportunidade irei assistir.

Abraço

Nekas disse...

Hugo, este filme é mais um que segue essa mesma temática...

Abraço

Cristiano Contreiras disse...

Um soco mesmo, um filmaço, achar que ele não merece mais que nota 9 só pode mostrar que há pessoas insensíveis.

Parabéns pelo post!

Nekas disse...

Cristiano, obrigado!

Abraço

bruno knott disse...

pretendo assisti-lo o quanto antes...
mais um pra minha lista, que sempre cresce... hehe

abs.

Nekas disse...

bruno, olha que este também é imprescendível!

Abraço