sábado, 24 de abril de 2010

- Já vi: Trainspotting (1996)

poster

Trainspotting

Choose. Choose a life. Choose a job. Choose a starter home. Choose. Choose. Choose. Porquê escolher (Choose)? Porquê afogar-se na amargura da vida quando se pode viver em sonhos?

A droga perpetua no mundo. Abala pessoas, anima outras, mas no fim, leva todas à desgraça, miséria e bancarrota. Começa-se a roubar, a mentir ou até matar para “matar” o vício. Tudo se faz num mundo de droga, onde existe os supostos amigos. E existe as inúmeras tentativas falhadas de desintoxicar.

É com esta premissa que se inicia Trainspotting. Um british movie que fala do mundo, e abala o mundo. Leva algum tempo para absorver toda esta informação que nos é dada no decorrer da fita.

Trainspotting é mais que um trabalho técnico. Danny Boyle, assina aqui a sua obra-prima. A banda sonora está espectacular. O ambiente escocês muito bem definido. Mas é nas interpretações e no argumento que Trainspotting se sobressai. Ewan McGregor, o protagonista do filme e o secundário na sua própria vida, tenta, desesperadamente, libertar-se da droga mas nunca consegue. Para isso, tem a “ajuda” de Jonny Lee Miller, Kevin McKid, entre outros. Mas é, indubitavelmente, McGregor que se salienta na obra. Penetrante e frustrante são alguns dos adjectivos com que podemos caracterizar a sua personagem.

 Trainspottingd_1280x720_poster

Pelo meio, existem referências ao mundo. Existe aquele amigo que se mantém fora dos vícios, existe aquele amigo indesejado que se afoga em problemas e nos afoga em angústia, e até existe aquela menina que se passa por adulta quando, afinal, não o é. Até existe uma referência aos The Beatles e à capa do álbum Abbey Road. Estereótipos. A vida.

Mas é isso mesmo. Trainspotting é isso mesmo.(O que é trainspotting?). A vida real. Crua e nua. Onde os drogados assumem o papel secundário na sua vida e em vez de escolher uma vida, escolhem afugar-se na droga, num subconsciente paralizado e inconsciente, afundam-se em momentos que não são protagonizados na sua completa sanidade. E ainda definem droga. Peguem no sexo e multipliquem-no por mil, e mesmo assim não chegará à droga!

 trainspotting

17 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Ainda não conheço, mas aguardo a oportunidade.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

Nekas disse...

Roberto, de certeza que irás gostar...

Abraço

Neuroticon disse...

Nekas, pode não ser a tua cena ;)

Eu acho-os a melhor banda de sempre em Portugal. Btw, o que ouviste deles?

Nekas disse...

Neuroticon, eu ouvi algumas músicas do seu novo álbum...

Abraço

Marcelo Pereira disse...

Um dos filmes da minha vida, como não poderia deixar de ser. Perfeito.

Abraço

Nekas disse...

Marcelo, quase perfeito!

Abraço

Maria Schilleman disse...

Off topic

Sangue De Família (2010) - Trailer

http://www.youtube.com/watch?v=JaM4J8qP608&fmt=18

Nekas disse...

Maria, não conhecia...

Abraço

AlexSupertramp disse...

Um filme bastante bom sem dúvida. O melhor de Danny Boyle.

Abraço

Loot disse...

É o meu preferido de Boyle. Todos os personagens estão muito bem construidos e tudo aquilo que ele critica no inicio depois quer no final.
Muito bom.

Nekas disse...

Alex, provavelmente...

Loot, concordo com a segunda e terceira frase. Quanto ao melhor de Boyle, deste só vi este e Slumdog Millionaire e só posso contestar que este é muito melhor que Slumdog...

Abraço

ArmPauloFerreira disse...

"Drive boy dog boy
Dirty numb angel boy
In the doorway boy"*

Acho que do Danny Boyle só ainda não vi o Slumdog... porque ando constantemente a adiar vê-lo (não me puxa nada vê-lo). Dele adorei imenso ver este Trainspotting, A Praia, 28 Days Later e o Sunshine.

Trainspotting é um magnifico filme, uma enorme pedrada no charco na altura que chegou. A review está totalmente bem feita e no tom certo. Adorei a critica e a nota está acertada.
Parabéns Bruno!

Assinalo ainda o impacto artístico de toda a promoção deste filme britânico que contrastava totalmente com a produção americana.
Os posters, as fotos, as cores berrantes da faixa com o título, a música que o acompanhava, etc... era tudo arte em estado puro e o filme insere-se também no próprio espirito artístico que acompanhava. Danny Boyle estreou-se brilhantemente mesmo.

Só faltou umas linhas para a banda-sonora que é outra parte até inseparável do filme, pois todo o som é marcante. Recordo-me de na altura só se ouvir esta poderosa banda-sonora, com muito apelo dançável. Goldie, Primal Scream, Iggy Pop, Pulp, etc...
Mas foi a canção "Born Slippy" (*) dos Underworld que ficou para sempre marcada.

"Shouting lager lager lager lager
Shouting lager lager lager
Shouting mega mega
White thing
Mega mega white thing
Mega mega white thing"*

(Ainda hoje é uma malha brutal!!!)

Nekas disse...

ArmPauloFerreira, antes de mais, obrigado!

Quanto a Danny Boyle, só vi este e Slumdog atentamente e Trainspotting é deveras superior...

Quanto ao filme, é potente. Penso que seja uma palavra para ao descrever pois da forma como ele nos encara e nos insere naquele mundo e com uma banda sonora a rodopiar na nossa mente, eu digo Bravo!

Abraço

ArmPauloFerreira disse...

Então sendo assim, recomendo que os vejas:
- A Praia (de novo com uma melhor banda-sonora até melhor que o filme, marcado pela linda "Porcelain" de Moby, num filme de descoberta que é bem interessante mas que cai na sua própria ambição de ser mais do que era - Di Caprio numa boa prestação já depois do Titanic);
- 28 Days Later (um filme de zombies com algumas inovações e criticas à sociedade);
- Sunshine (parece que só eu gosto dele... é quase uma homenagem a "2001" de Kubrik, que nos leva numa viagem até ao Sol - é sci-fi e adorei... mas isso sou eu);

Nekas disse...

ArmPauloFerreira, eu já vi, parte de Sunshine, mas não consegui vê-lo todo, quem sabe um dia?
Tenho de ver 28 Days Later!


Abraço

ArmPauloFerreira disse...

É preciso disposição para ver Sunshine.
Não é qualquer momento que o adequa a gostar... mas é apenas a minha opinião, pois há muitas reviews que o classificam de fraco filme... eu gostei bué!

diogo disse...

este filme é catita, nada mais que isso (:

passa no meu blog