quarta-feira, 3 de março de 2010

- Já vi: A Serious Man

A Serious Man – Um Homem Sério

Hoje estou em casa doente, portanto, como estou de “quarentena” a Serious Man foi a opção escolhida para me ajudar a passar o tempo nesta manhã.

Um Homem Sério foi o terceiro filme que visionei dos irmãos Coen após o No Country for Old Man e Burn After Reading.Assim, uma das coisas que posso dizer acerca da filmografia dos irmãos Coen é divisão de opiniões. Se por um lado, No Country for Old Man ganhou o Óscar por outro existem pessoas que não o acharam nada por aí além inclusive eu.

Outra das características da filmografia dos irmãos é a profunda crítica à sociedade retratada no filme mas essa crítica nem sempre é perceptível, aliás, em Este País Não é para Velhos eu não devo ter compreendido muito bem.

A serious man fala de Larry Gopnik e das suas mudanças na vida, ou seja, as desavenças de uma separação, a aproximação do festejo “bar mitzvah” do filho mais novo, o constante ataque de cartas anónimas acerca da sua vulnerabilidade quanto professor e a resistência perante o suborno de um aluno coreano, enquanto isso, o seu filho tenta arranjar dinheiro a fim de pagar uns cigarros enquanto o seu tio procura a sua cura e vive com Larry.

Michael Sthulbarg é o one man show. Rouba a tela para si só enquanto lida com o seu redor e tenta, desesperadamente, ser um Homem Sério. A Serious Man também relata o redor judáico ao qual Larry pede ajuda, nomeadamente, aos rabis.

A realização apresenta pontos interessantes assim como o argumento ambos pertencentes aos irmãos Coen. Voltando ao argumento, este detém a profunda sátira à comunidade judáica assim como o humor negro característico dos irmãos.

Tagline: “I've tried to be a serious man, you know?”

a-serious-man

7 comentários:

Tiago Britto disse...

Nekas, Obrigado por aparecer em meu blog e obrigado pela comentário. Voce poderia me ajudar a compreender um pouco sobre o filme? Normalmente eu gosto muito dos filmes do Coen, mas esse novo não conseguiu me agradar ou eu nao consegui compreender! Abraço

Silvano Vianna disse...

Filme dos Coen sempre é complicado, mais fácil entender mulher de TPM do que assistir um filme deles e saber o resultado que vai ter em você mesmo. Interessante o seu blog, passaremos por aqui mais vezes.
Abraços!

Nekas disse...

Tiago, então somos diferentes. Eu não compreendi No Country for Old Men, aliás, acho-o um filme banal com pouco a ser "oferecido" pelo filme, no entanto, A Serious Man reflecte-se como um todo numa sociedade onde Larry é um homem banal, ou seja, apenas mais um homem na sociedade que luta pelo conformismo na sua vida.

Silvano, obrigado pela visita e irei retribuir. Quanto aos Coen é mesmo assim, nem todas as obras são perceptíveis podendo aceitar-se umas e negar-se outras.

Abraços

Fifeco (Filipe Ferraz Coutinho) disse...

Não gostei tanto como tu. É um bom filme mas fica muito, muito aquém das suas principais obras. Percebe-se a intenção e a metáfora e as interpretações são notáveis. Contudo, falta-lhe uma identidade mais forte, algo que o permita fugir da banalidade em que se afundou.

Abraço

Nekas disse...

Filipe, concordo contigo. De facto, a identidade mais forte foi o que lhe retirou de uma nota superior, no entanto, está lá a metáfora e a intenção e, principalmente, as interpretações.

Abraço

bruno knott disse...

Eu curto bastante Onde os Fracos não tem Vez...

e tb gostei desse Um Homem Sério, mas bem menos.

além de tirar um sarro da comunidade judaica, acho que elez fazem humor com toda humanidade e com algumas das nossas questões mais profundas, por exemplo, se existe algum sentido na vida e etc!

abraços.

Nekas disse...

bruno knott, eu não sei mas não gosto de No Country for Old Man.
Quanto a Serious Man, detém uma profunda crítica mas que não é perceptível a todos...

Abraço