segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Já vi - American History X (América Proibida)


American History X
Na altura do Natal costuma passar bons filmes ou pelo menos estreiam filmes e não temos que passar a véspera de Natal de Ano Novo a visionar filmes que dão durante o ano várias vezes mas sim filmes que muito(ou nada) têm haver com esta altura do ano. Contudo, Natal é tempo de fraternidade, hospitalidade e sobretudo de amor. Ora neste filme está isso presente. Não tão visível quanto pareça, mas está lá.
A história situa-se em Venice Beach e é lá que vive um orgulhoso skin head que se chama Derek Vinyard (Edward Norton), um inteligente Homem que após a morte trágica do seu pai quando este apagava um fogo(era bombeiro) num bairro problemático oriundo da raça negra e é morto no cumprimento do seu dever, Derek tende a ganhar um enorme ódio contra as outras raças e especialmente aos imigrantes ilegais. Assim, Derek, estimulado pelo líder do grupo de racismo daquela zona, irá lutar contra as "injustiças" que o povo diferente de ele prega ao povo trabalhador american. Mas, a casa de Derek é atacada por um grupo da raça negra e, impiedosamente, Derek mata dois desses homens. Agora, Derek cumpre três anos de prisão e volta diferente da prisão, reinvindica do seu racismo e recusa-se a não agir de forma igual. Agora, Derek fará de tudo para viver uma vida normal e de igualdade mas o único problema é se conseguirá mudar o seu irmão, Danny (Edward Furlong) que via Derek como um modelo-a-seguir e que tenta entrar no seio da fraternidade racista.
Ele conseguiu mudar-se, conseguirá mudar o seu irmão?

Realizado por Tony Kaye onde o seu trabalho não é muito notável(fora alguns momentos) mas consegue cumprir a sua função. O argumento do filme está deveras bem feito onde Edward Norton tira o protagonismo e torna-se uma personagem memorável desta obra. Edward Furlong não está nada mau e mostra-se (ainda)mais competente que em Terminator 2, com uma banda sonora muito boa, American History destaca-se pelo seu conceito e pela sua crítica à sociedade e para sublinhar que o sonho de Martin Luther King ainda não está realizado - A luta pela igualdade racial. 


Tagline: "There was a moment... when I used to blame everything and everyone... for all the pain and suffering and vile things that happened to me, that I saw happen to my people. Used to blame everybody. Blamed white people, blamed society, blamed God. I didn't get no answers 'cause I was asking the wrong questions. You have to ask the right questions". 
 




4 comentários:

thicarvalho disse...

Nekas não conhecia este filme, mas pelo q tu escreveu parece uma ótima história. Edward Norton é um baita ator e dificilmente decepciona. Espero ver este filme logo. Grande abraço e um ótimo ano novo.

Cleber disse...

Sempre fui muito interessado nesse filme, mas nunca tive a chance!

http://clubcinefilo.blogspot.com/

Red Dust disse...

É uma história muito forte, sem medo de tocar em muitas 'feridas'. Edward Norton tem um desempenho de relevo. Vale a pena ver!!!!!

Abraço.

Nekas disse...

thicervalho, sim, Edward Norton é um actor que nos habituou a bons papéis e aqui é mesmo injustiçado e imcompreensível o porquê de ele não ter ganho o óscar.

Cleber, então vê rapidamente...

Red Dust, sublinho-te!

A todos um óptimo Ano Novo e Abraços.